Educación en red: por una pedagogía contextualizada e inmanente

Lalita Kraus, Tamara Egler, Aldenilson Costa

Resumen

El artículo presenta la experiencia político-pedagógica de la educación contextualizada para la convivencia con el Semiárido, que es desarrollada e implementada por la Red de Educación del Semiárido Brasileño (Resab) en las escuelas de enseñanza fundamental de la región semiárida brasileña. Se investigarán las acciones implementadas en las escuelas del municipio de Tamboril, en el estado de Ceará. El objetivo es explorar la relación entre esta práctica pedagógica y el desarrollo en el territorio, a partir de una práctica pedagógica autónoma y crítica.

Palabras clave

Educación popular; contextualización; autonomia educativa; territorio

Texto completo:

PDF

Referencias

Andrade, E. F. (2010). Gestão compartilhada da educação: o discurso e as práticas cotidianas no sistema de ensino do Recife. Revista do Centro de Educação, v. 35, n. 1, jan-abr, 2010, pp. 169-182. Retrieved 16 March, 2016, from http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=117116990013.

Bezerra, N. F. (2002). Água no Semi-Árido nordestino: experiências e desafios. In: Água e desenvolvimento sustentável no Semi-árido. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer. Retrieved 15 February, 2016, from http://www.kas.de/wf/doc/kas_11769-544-5-30.pdf.

Bourdieu, P. (2010). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brandão, C. R. (1982). Lutar com a palavra: escritos sobre o trabalho do educador. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

Carvalho, L.D. (2012). Natureza, território e convivência. Jundaí: Paco Editorial.

Demo, P. (2009). Desafio de gerar oportunidades. In: CARDOSO JÚNIOR, José Celso (Org.). Desafios ao desenvolvimento brasileiro: contribuições do Conselho de Orientação do Ipea. Brasília: Ipea. v. 1. p. 189-215.

Dowbor, L. (2007). Educação e apropriação da realidade local. Estududos avançados, 21 (60), São Paulo May/Aug. Retrieved 2 March, 2016, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142007000200006.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. (2015). Desertificação atinge grandes áreas do Semiárido, 27/5/2015. Retrieved 17 October, 2016, from https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/3240771/desertificacao-atinge-grandes-areas-do-semiarido

Freire, P. (1979). Educação como prática da liberdade. 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1983). Pedagogia do Oprimido. 13.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2001). Pedagogia do oprimido. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P.; Faundez, A. (2002). Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P.; Shor, I. (2008). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gadotti, M. (2010). Qualidade na educação: uma nova abordagem. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire. Retrieved 22 August, 2016, from http://acervo.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/3086/1/FPF_PTPF_12_084.pdf.

Giroux, H.; Simon, R.. (2008). Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular. In: MOREIRA, Antônio Flávio; Silva, Tomaz Tadeu da. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 10. ed. São Paulo: Cortez. p. 93- 124.

Ipece - Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. (2015). Perfil basico municipal, Tamboril. Fortaleza. Retrieved 13 April, 2016, from http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/perfil_basico/pbm-2015/Tamboril.pdf.

Lima, E. de S. (2006). Educação contextualizada no semi-árido: construindo caminhos para formação de sujeitos críticos e autônomos. Monografia, curso de especialização em Docência do Ensino Superior da Faculdade Santo Agostinho – FSA, Teresina/PI. Retrieved 19 February, 2016, from http://educacaonosemiarido.xpg.uol.com.br/Monografia%20-%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20no%20Semi%C3%A1rido.pdf.

Martins, J.da S. (2005). Tecendo a rede. Notícias críticas do trabalho de descolonizaçãocurricular no semi-árido brasileiro e outras excedências. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Martins, J. (2006). Anotações em torno do conceito de educação para a convivência com o semi-árido. In: Resab(org.), Educação para a convivência com o Semi-Árido: reflexões teóricos-práticas. Juazeiro/BA: selo editorial Resab.

Menezes, M.G. e Santiago, M.E. (2014). Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Pro-Posições, 25 (3), Campinas Sept./Dec. Retrieved 10 March, 2016, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072014000300003.

Moreira, A. F.; Silva, T. T. (1994). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez.

Motta, F. C. P. (2003). Administração e participação: reflexões para a educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, 29 (2), p. 369-373, jul./dez. 2003. Retrieved 16 March, 2016, from http://www.scielo.br/pdf/ep/v29n2/a14v29n2.pdf.

Paro, V. H. (1996). Eleição de Diretores de Escolas Públicas: avanços e limites da prática. Revista Brasileira De Estudos Pedagógicos, Brasília: 77 (186), p. 376-395, maio/ago.

Peçanha, G. DE. (2007). Transposição didática: poe onde começar? São Paulo: Cortez.

Pimentel, A. (2002). O elogio da convivência e suas pedagogias subterrâneas no semi-árido brasileiro. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Rede de Educação do Semiárido Brasileiro - Resab. (2006). Diretrizes de Educação para a Convivência com o Semi-árido Brasileiro. I Conferência Nacional de Educação para a Convivência com o Semi-árido Brasileiro - I CONESA.

Rede de Educação do Semiárido Brasileiro – Resab. (2007). Currículo, contextualização e complexidade: elementos para pensar a escola no Semi-Árido. Jazeiro/BA: selo editorial Resab.

Silva, R. A. M. da. (2006). Entre o combate à seca e a convivência com o Semi-Árido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Brasília – DF. Tese de Doutorado – Universidade de Brasília – UNB. Retrieved 20 January, 2016, from http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/Roberto/Marinho/Alves/da/Silva.pdf.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.